Carro Chevy Nova YENKO 1969

REVELL

Apenas:

4x de R$ 48,45 sem juros

ou À Vista R$ 193,78

Descrição:

Kit em plastico para montar e pintar, escala 1/25, nivel 2, 20cms, mais de 110 peças. Total e completamente detalhada, chassis e detalhes de carroceria fielmente reproduzidos. Diversas partes cromadas, pneus de borracha.Não inclui tintas ou cola.

Em 1966, Don Yenko ficou impressionado com o manuseio do modelo Chevrolet Corvair, e decidiu solicitar a aprovação da SCCA do modelo Corsa para corridas. O corpo sancionador aprovou os carros com o banco traseiro removido e as atualizações no motor Corsa, aumentando a potência e o torque. As 100 Corsas de 1966 que receberam a certificação foram todas pintadas de branco e a maioria tinha faixas azuis, e foram nomeadas "Yenko Stingers".

Yenko continuou a modificar os cupês da Corvair como Stingers pelo resto da produção do carro. O último Stinger foi um cupê de 1969, após o qual a produção da Corvair cessou em Willow Run, Michigan. Charlie Doerge escreveu um livro sobre o Yenko Stinger e algumas das aventuras de Don em 2011. O livro lista muitos proprietários originais e subsequentes, bem como a história conhecida das corridas com muitas informações sobre todos os carros que foram produzidos. Jay Leno em um vídeo declarou "a Bíblia para os proprietários do Yenko Stinger".

Quando Camaros, classificado como "Pony Cars", ficou disponível em 1967, Yenko transferiu o motor L-72 de 427 polegadas cúbicas (7 L) e 425 hp (317 kW) da Chevrolet (juntamente com outras peças de alto desempenho) para alguns Camaros, criando o Yenko Camaro. Os 427 Camaros de 1967 e 1968 eram tão populares que, em 1969, Yenko usou o sistema de Ordem de Produção do Escritório Central (COPO) da Chevrolet para instalar motores L-72 nos Chevrolet Camaros e Chevelles.

Durante 1971 e 1972, Yenko vendeu o Yenko Stinger Vegas. Baseado no Chevrolet Vega GT Hatchback, o Stinger Vegas incluía spoilers dianteiros e traseiros, faixas laterais Yenko Stinger e um motor COPO especial com pistões de alumínio forjado banhados a liga. O bloco de alumínio Vega modificado 2.3 em linha 4 com um turbocompressor e 155 hp exigiu um teste de 80.000 milhas para a certificação EPA e Don Yenko acabou decidindo não usar os turbocompressores. [1]. A Chevrolet não estava interessada no potencial de marketing de uma versão Turbo, pois nem os blocos de motor de alta compressão solicitados pela Yenko nem os motores turbo equipados de fábrica foram construídos. O Stinger Vega foi oferecido pela Yenko Chevrolet até 1972 sem os turbocompressores instalados, mas a Yenko ofereceu os turbocompressores como um kit de pós-venda.
O alto desempenho e a produção limitada de todos os carros modificados por Yenko os tornam valiosos e valorizados pelos colecionadores.